Rattus norvegicus

Rattus norvegicus é uma espécie de roedor originária da Ásia, mas atualmente naturalizada em quase todas as regiões povoadas do planeta, sendo a mais comum e conhecida de todas as espécies de ratos. O Biotério Central da UFSC dedica-se à criação de duas linhagens, Wistar e Hooded, ambos originários da antiga Escola Paulista de Medicina, hoje UNIFESP.

As colônias de criação de roedores do Biotério Central da UFSC são de padrão sanitário convencional. Os animais são mantidos em ambientes climatizados, alojados em caixas de polipropileno com tampa alta em arame perfilado (permitindo que o animal se posicione sobre as patas traseiras para observar o ambiente), com dimensões de 41 x 34 x 21 cm (para casais monogâmicos com suas ninhadas) ou 49 x 34 x 21 cm (para animais em crescimento, em número máximo de 5 animais por caixa). Recebem água e ração ad libitum e têm a gaiola higienizada duas vezes por semana.

Linhagem Wistar

A linhagem Wistar (rato albino) é uma das mais utilizadas mundialmente em pesquisas científicas, tendo este nome por ter sido a primeira linhagem de ratos desenvolvida para este fim, em 1906, no Wistar Institute, Filadélfia. Estima-se que mais da metade das linhagens utilizadas em laboratórios atualmente descendem de uma colônia estabelecida neste mesmo instituto. Possuem pelagem completamente branca e olhos vermelhos, são animais sociais, de hábitos noturnos, dóceis e de fácil manipulação, apresentando grande capacidade de aprendizagem e reconhecimento do tratador.

Curva de Crescimento – Rato Wistar

Linhagem Hooded

Ao contrário dos ratos albinos, a linhagem Hooded apresenta um capuz de coloração cinza-escuro cobrindo a cabeça e parte do dorso, e pigmentação normal dos olhos, motivo pelo qual são frequentemente utilizados em estudos oftalmológicos. São ligeiramente mais agitados e agressivos, servindo também como bons modelos para pesquisas neurológicas e comportamentais.