Canis familiaris

A raça canina mais utilizada para fins experimentais é o Beagle, devido ao seu porte médio (de 10 a 25 kg), temperamento dócil e padronização genética.

Apesar de a legislação brasileira permitir o uso de cães em pesquisas científicas e como recurso didático em atividades de ensino, os Beagles do Biotério Central da UFSC não são sujeitos destes procedimentos há 5 anos, devido à substituição por modelos não vivos no ensino e técnica cirúrgica. Deste modo, o canil do Biotério Central é classificado como de manutenção e criação, tendo suas atividades de reprodução suspensas.

Os cães são mantidos em ambientes abertos, boxes com solário, abrigo para repouso e pátio para recreação ao ar livre, em número máximo de  5 a 6 animais por box. A área conta com um sistema de resfriamento automatizado para dias quentes e rampas conectando box vizinhos, permitindo a livre circulação e possibilidade de se exercitar. Além disso, são soltos semanalmente para recreação na área de gramado, respeitando um protocolo de acompanhamento.